Gordo Construções
AC- Assessoria Contábil e Tributária
Dr. Fred Barros
Odonto Center
Sertão Online
Supermercado Queiroz
PASC – Mais Saúde
Dr. Gilson Brito

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Jailson Pneus
Restaurante Império Gourmet SJE
BMG Correspondente Antônio Filho
F. e P. Droga Center
Clínica Santa Lúcia
Casa Shopping Center
ADRIANTUR
Costa Lira
Informatic Center
Eduardo da Fonte
Farmácia Boa Saúde
Centro Clinico
Eletro Móveis
Deixe Seu Like

Time que foi de Arraes e de Eduardo agora é de Paulo

Coluna Fogo Cruzado – 

Resultado de imagem para ARRAES E EDUARDOA política, já dizia o poeta, às vezes tem razões que a própria razão desconhece

Quando escolheu os nomes para compor o seu secretariado em 2006, Eduardo Campos levou para o time pessoas de sua confiança (Marcos Loreto, Danilo Cabral, Paulo Câmara, Geraldo Júlio, Ângelo Ferreira, Márcio Stefanni, Djalmo Leão, etc.) Mas teve o cuidado de levar também “arraesistas” históricos como Israel Nóbrega, Ariano Suassuna, Ricardo Leitão, Evaldo Costa, Jorge Gomes e outros. No segundo mandato, ele fez um remanejamento entre os próprios secretários, acrescentando outros que tinham ligações com Arraes, mas também com ele – caso de Ranilson Ramos e de Tadeu Alencar. Em 2014, ao ser sucedido por Paulo Câmara, o novo governador mesclou o secretariado com pessoas de sua confiança (José Neto e Ruy Bezerra), com remanescentes do “arraesismo” (Pedro Eurico e Mário Cavalcanti) e também do “eduardismo” (Felipe Carreras, Danilo Cabral, Antonio Figueira, Isaltino Nascimento, Márcio Stefanni, Thiago Norões, etc). Neste segundo mandato de Paulo Câmara, permanecem pessoas que foram ligadas aos dois ex-governadores (Milton Coelho, Décio Padilha, Aluísio Lessa, Renato Thiebaut, Nilton Mota, Coronel Carlos José e Sileno Guedes), mas o núcleo do governo é essencialmente “camerista”. Notou-se a ausência no selecionado do paraibano Márcio Stefanni, que foi um dos responsáveis, inclusive, pela elaboração do plano de governo. Mas a política, assim como o coração, às vezes tem razões que a própria razão desconhece.

Espaço definido

Dono da maior bancada estadual a partir de fevereiro, o PSB não abrirá mão da 1ª Secretaria da Alepe. Já abriu mão da presidência várias, em favor de Guilherme Uchoa (PDT), a pedido de Eduardo Campos, para segurar o PDT na Frente Popular. O nome do 1º secretário só não foi ainda anunciado porque a bancada não se entendeu. Há quatro querendo, mas só há uma vaga.

O sonho – Depois de muitos serviços prestados ao PSB, inclusive como seu presidente regional, Milton Coelho achava que havia chegado a hora de assumir uma vaga na Câmara Federal (é o 1º suplente da Frente Popular). Deu azar porque nenhum deputado federal quis ser secretário.

A frustração – Quando aceitou o convite de Paulo Câmara para coordenar sua campanha, abdicando da reeleição, Nílton Mota (PSB) sonhava assumir a Secretaria da Fazenda, já que é de lá. Mas também deu zebra porque a pasta ficou com Décio Padilha, igualmente fazendário.

Fica aí – O nome do presidente da Compesa, Roberto Tavares, esteve cotado para assumir a recém criada Secretaria de Infraestrutura e Recursos Hídricos. Mas à última hora Paulo Câmara chegou à conclusão de que deveria deixá-lo na companhia, onde realiza magnífico trabalho.

Nome forte – O médico Antônio Figueira poderia escolher qualquer pasta no governo de Paulo Câmara, mas optou por permanecer onde estava ( chefe da Assessoria Especial). E com a força que tem dentro do governo sugeriu o nome da engenheira Fernandha Batista para Infraestrutura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *