ProntoMaisLab
Dr. Gilson Brito

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Jailson Pneus
Restaurante Império Gourmet SJE
BMG Correspondente Antônio Filho
F. e P. Droga Center
Clínica Santa Lúcia
Casa Shopping Center
ADRIANTUR
Dr. Diego Aragão
O Centenário
Costa Lira
Informatic Center

Eduardo da Fonte

Centro Clinico
Eletro Móveis
Deixe Seu Like

Giro pelos Blog’S

Coluna Fogo Cruzado – 10 de maio de 2019

Político escolado, o senador Fernando Bezerra Coelho aproveitou o café da manhã de 21 governadores com o presidente Jair Bolsonaro, na última quarta-feira, na residência oficial do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, para dar-lhes um conselho de amigo. Não adianta chegarem a Brasília com uma pauta de 20 ou 30 pedidos, como muitos têm feito ultimamente, disse ele, porque todos serão indeferidos. É mais recomendável, no caso dos governadores do Nordeste, por exemplo, sistematizarem uma pauta de interesse da região e outra de interesse específico de cada estado, pois o dinheiro da União é curto e o presidente da República não vai atender tudo que lhe for solicitado. De comum entre os nove estados da região, há o pedido de prorrogação do Fundeb, previsto para expirar em 2020, a conclusão da Transnordestina, o fim da obra da transposição do São Francisco e a autorização para contrair empréstimos externos. Se o presidente atender todas elas, já estaria de bom tamanho. No caso específico de Pernambuco, espera-se do governo federal a conclusão das Adutoras do Agreste e do Pajeú, a construção do Canal do Sertão e a duplicação da BR 423 que liga Garanhuns a São Caetano. Se o presidente fizer isto, já terá feito um gesto grande com os pernambucanos.

À iniciativa privada

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) conseguiu incluir o aeroporto de Petrolina na próxima lista dos que serão concedidos à iniciativa privada. Estarão no mesmo lote os aeroportos de Goiânia (GO), Palmas (TO), Teresina (PI), São Luís (MA) e Imperatriz (MA). O governo espera arrecadar com essas concessões pelo menos R$ 1,5 bilhão.

Volta ao ministério

Cogita-se em áreas governistas a volta de Fernando Bezerra ao Ministério da Integração Nacional, caso a pasta seja recriada, porém ele não tem interesse. Deseja permanecer na liderança do governo no Senado, onde tem trânsito livre com Bolsonaro e todos os seus 22 ministros. Eventual retorno à esplanada não acrescentaria nada à sua biografia.

Ordem unida

Como líder do PSD na Câmara Federal, André de Paula (PE) tirou o deputado Joaquim Passarinho (PA) da comissão mista que analisa a Medida Provisória da reforma administrativa e pôs no lugar dele o deputado Paulo Magalhães (BA). Passarinho perdeu a vaga porque iria votar pela permanência do COAF no Ministério da Justiça. A maioria decidiu pelo seu retorno ao Ministério da Economia.

Unidade das oposições

O ex-vice-prefeito de Paulista, Nena Cabral, iniciou um movimento no município visando à unidade das oposições para o pleito de 2020. Só não vai conseguir levar o vereador e presidente da Câmara, Fábio Barros (PSB), que já se lançou candidato à sucessão do prefeito Júnior Matuto (PSB), “com o seu o apoio do atual prefeito”.

Corte dividida

Há muito tempo o STF não decide, por unanimidade, uma questão relevante para o país. Geralmente decide, dividido, na maioria das vezes por 6 x 5. Foi assim com a prisão em segunda instância e, mais recentemente, ao reconhecer que as Assembleias Legislativas detêm poderes para anular a prisão de deputados, salvo se presos em flagrante delito.

A cara do bem

A prisão de Lula e Michel Temer está levando muitos brasileiros a acreditarem cada vez menos nos valores da democracia. Em relação a este último, fez toda sua carreira política no MDB-SP, foi presidente da Câmara três vezes, vice-presidente da República e depois presidente. E, o que intriga mais os brasileiros, não tem cara de corrupto.

Chuva de pedidos

Um dos lugares mais ingratos do governo Paulo Câmara é a Secretaria de Infraestrutura, onde despacha a engenheira Fernandha Batista. Diariamente ela recebe demandas de parlamentares e na maioria das vezes é obrigada a dizer “não”. Ontem, recebeu o deputado Antônio Moraes (PP) para cobrar a recuperação da rodovia que liga Pirauá a Macaparana, da que liga Timbaúba a Limoeiro e da que liga Goiana a Itambé. Ela pediu paciência ao deputado porque o Estado não tem dinheiro.

Moro o derrotado

A comissão mista que analisa a reforma administrativa do presidente Jair Bolsonaro (PSL) aprovou, ontem, o destaque que retira o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) da pasta da Justiça para retornar ao Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes. Foi uma derrota para o ministro Sergio Moro, que passou os últimos dias em reuniões com parlamentares para manter o controle do Coaf. Vários parlamentares citaram Moro em seus discursos, ressaltando o empenho do ministro.

“O ministro Sergio Moro deveria fazer a articulação política do governo, porque ele virou uns dez votos aqui nessa comissão. Mas a mim ele não convenceu”, disse Elmar Nascimento (DEM-BA). “Tivemos uma boa conversa, mas eu expliquei a ele que seria uma decisão partidária”, completou Camilo Capiberibe (PSB-AP). Foram catorze votos “Sim” e onze “Não”. Uma abstenção.

Parlamentares do Centrão e da oposição se juntaram para tirar o Coaf das mãos de Moro e se articularam para impor uma derrota ao governo. Assinaram o requerimento que devolve o órgão para o Ministério da Economia líderes de PT, PRB, PTB, PP, MDB, Pode, PSC, DEM, PR, Solidariedade e Patriotas. O ministro da Justiça e Segurança Pública já disse mais de uma vez que deseja que o Coaf permaneça sob sua pasta.

Na última semana, afirmou que o conselho estava “esquecido” no Ministério da Fazenda e garantiu que o ministro Paulo Guedes, da Economia, não quer o Coaf.  “Guedes não quer o Coaf, ele tem uma série de preocupações, tem a reforma da Previdência. A tendência lá é ele (Coaf) ficar esquecido e na Justiça temos ele como essencial”, disse. Se Moro tivesse dignidade entregaria o cargo. Sem o Coaf, órgão que controla a movimentação de contas e combate à lavagem de dinheiro seu poder sofre um tremendo abalo.

Moro já errou, aliás, ao aceitar o convite de Bolsonaro. Como juiz que mandou Lula para o xadrez, era tratado e revenerado como herói nacional. Agora, virou subalterno de um desgoverno. Bolsonaro parece uma batata tonta, se elegeu na onda antipetista, revela despreparo e desconhece a chamada liturgia do cargo.

Bezerra sai arranhado – A comissão de deputados e senadores também aprovou a transferência da demarcação de terras indígenas para a Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão que pelo relatório do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) volta ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, pasta comandada por Sergio Moro. A mudança foi aprovada por 15 votos a 9.O relator, porém, havia proposto que a demarcação continuasse com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), vinculado ao Ministério da Economia, o que foi rejeitado pelo colegiado. O relatório também precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado.

Em defesa de Wal – O presidente do PSB, Sileno Guedes, saiu, ontem, em defesa do ex-líder do Governo na Alepe, Waldemar Borges, negando que esteja magoado com o Governo. “Só quem não conhece o deputado Waldemar Borges pode a ele atribuir à procura de cargos no Governo como foco das suas insatisfações com o Governo. Wal é político de projeto. Suas intervenções são sempre no sentido de fortalecer o conjunto que vem transformando a vida de milhares de pernambucanos. Ele é parte disso. Sua firmeza e determinação não podem ser confundida nem minimizada”, disse.

Boa notícia – O Aeroporto Internacional do Recife aparece entre os 15 melhores do mundo, de acordo com o ranking internacional Air Help Score 2019. O levantamento levou em conta informações de voos da base de dados da AirHelp e centenas de pesquisas com passageiros. No total, o estudo contou com a participação de cerca de 2,5 mil brasileiros e mais de 40 mil pessoas no mundo. O Brasil foi o país a ter o maior número de aeroportos no TOP 15. O Aeroporto internacional Afonso Pena, em Curitiba (PR), ficou em 4º lugar, enquanto o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), está na 10ª posição. Já o aeroporto do Recife ficou em 11º lugar.

Não fez cosca – O Governo não deu bolas para o rompimento do deputado Wanderson Florêncio (PSC), até porque nunca o considerou da base. Na campanha passada, aliás, ele nem votou em Paulo Câmara, mas sim em Armando Monteiro. Florêncio tem fama de desleal e desagregador desde quando serviu ao Governo do prefeito Geraldo Júlio na condição de vice-líder na Câmara. Agora, ao tentar visibilidade fazendo o pulo do gato para o outro lado do balcão, o que ele pretende é disputar a Prefeitura de Paulista. Mas dificilmente alçará tal voo porque é inelegível pela falta de votos.

Grito nordestino – Os governadores do Nordeste estiveram reunidos, ontem, com o presidente Jair Bolsonaro (PSL). Entregaram uma carta com os pleitos nordestinos. O governador Paulo Câmara (PSB) apontou as especificidades de cada Estado e reforçou a pauta comum entre eles. “Cada Estado tem sua particularidade e seria improdutivo trazer uma lista de solicitações que contemplasse todos esses pontos. O foco na educação e na retomada das obras foi uma opção estratégica para nossa região e para o Brasil”, afirmou. Outros assuntos tratados foram a prorrogação e ampliação do FUNDEB e a negociação em razão de condenações judiciais sobre diferenças do FUNDEF devidas pela União aos Estados.

De olho no Recife – Em entrevista ontem ao Frente a Frente, o deputado João Campos (PSB) confirmou seu desejo de disputar as eleições para prefeito do Recife, mas condicionou ao cenário que for desenhado para a sucessão de Gerado Júlio dentro das forças partidárias que estão na base do Governo.  Disse que tem dividido sua agenda entre Brasília e o Recife e previu dificuldades para aprovação da reforma da Previdência. O seu partido fechou questão contra e integra o bloco de oposição a Bolsonaro.

REPERCUSSÃO – Do senador Fernando Bezerra sobre a derrota de Moro na Comissão Especial da Câmara: “Não vejo o ministério de Sergio Moro esvaziado. O ministro Sergio Moro é uma figura central desse governo. Ele é o representante de compromissos importantes do presidente da República, é uma figura importante para uma pauta importante. Eu não vejo nenhum tipo de desprestigiamento”.

REAÇÃO DE MORO – O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou, por sua vez, que a decisão da comissão mista do Congresso de retirar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) de sua alçada não é “favorável”, mas não atrapalhará a atuação do órgão. Alguém pode acreditar? Afinal, Moro colocou como ponto de honra a manutenção do Coaf na Justiça.

SEM CHANCES – O presidente Jair Bolsonaro afirmou esperar que os plenários da Câmara e do Senado revertam a decisão de uma comissão do Congresso que retirou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça. Mais cedo, a comissão mista responsável por analisar a medida provisória (MP) da reforma administrativa decidiu transferir o órgão para o Ministério da Economia. O que se diz em Brasília é que o plenário da Câmara impõe acachapante derrota a Moro.

Perguntar não ofende: Fernando Bezerra vai virar ministro das Cidades?

BLOG EDMAR LYRA

Fernando vira ponto de equilíbrio no governo Bolsonaro 

Com a experiência de quem já foi deputado estadual, federal, prefeito, secretário, ministro e senador, o pernambucano Fernando Bezerra Coelho foi alçado à condição de líder do governo Bolsonaro no Senado, repetindo o posto que havia ocupado no governo Michel Temer.

A escolha de Fernando para o posto foi elogiada pela classe política em Brasília porque foi o primeiro sinal do governo de tentar melhorar o diálogo com o Congresso Nacional. E desde que assumiu o posto, Fernando deu uma demonstração de que o presidente estava no caminho certo.

Esta semana, ficou latente que o pernambucano tornou-se o principal operador político na relação do Planalto com o Congresso, pois a criação dos ministérios das Cidades e da Integração Nacional, tida como uma medida acertada para facilitar as ações do governo junto a estados e municípios, sobretudo em relação ao Minha Casa Minha Vida que vinha recebendo críticas.

O fato é que com a sua experiência, Fernando conseguiu convencer o presidente de que se não cedesse as demandas do congresso, dificilmente aprovaria a reforma da Previdência, que será o divisor de águas para a política, economia e para a viabilidade do governo Bolsonaro. Se as pautas governistas  avançarem no Congresso, o mérito será do líder do governo no Senado, que mostrou que entende do riscado e tem sido o principal ponto de equilíbrio de um governo que ainda patina na política.

OSs na Justiça – Ao longo do seu primeiro mandato na Alepe, Álvaro Porto (PTB) fiscalizou e levantou informações sobre os contratos do Governo do Estado com as Organizações Sociais que administram hospitais em Pernambuco. Por conta da falta de clareza nos convênios, o deputado chegou, inclusive, a apresentar denúncias à Justiça, ao TCE e ao Ministério Público Federal . Não por acaso, o petebista vem, agora, acompanhando de perto o desenrolar da ação que o MPF ajuizou contra o governador Paulo Câmara (PSB) e seu ex-secretário de Saúde Iran Costa. A ação é fundamentada numa acusação de improbidade administrativa e alega exatamente falta de transparência na aplicação de R$ 9,7 bilhões da União em convênios do Estado com as OSs.
Acompanhamento – Entre 2015 e 2018, Porto fez visitas a hospitais, conversou com pacientes e com sindicatos do setor, levantou dados e apresentou pedidos de informações ao Governo. “Também acompanhamos audiência pública promovida pelo MPF, em 2017, com agentes do Estado e das OSs. Na ocasião, a Procuradoria apresentou mecanismos para a adoção de medidas de transparência, detalhou como é feita a fiscalização e estabeleceu prazos para ajustes nos gastos. Mas, como se vê, as OSs não seguiram o que recomendou o MPF”, diz. “O mais grave é que o alto custo dos contratos continua sem dar resultado. O atendimento à população permanece precário”, acrescenta.
Nota – Em atenção à nota ‘Desmarcando’, publicada na coluna desta quinta-feira (9/5), a Secretaria de Infraestrutura e Recursos Hídricos esclarece que sua titular, Fernandha Batista, está sempre à disposição para atender os parlamentares. Qualquer alteração na agenda se deve à dinâmica diária da estrutura governamental, que busca responder à necessidade constante de acelerar a resolução das demandas da pasta.
Ciranda – Em homenagem à Ciranda, uma das mais importantes manifestações culturais em Pernambuco, o governador Paulo Câmara irá instituir o dia 10 de maio como o Dia Estadual da Ciranda, em homenagem ao Mestre Baracho (in memoriam), pelo dia do seu nascimento. A Lei nº 77, que institui a data comemorativa no calendário pernambucano, é de autoria do deputado estadual Waldemar Borges, e será sancionada nesta sexta-feira pelo chefe do Executivo em solenidade no Palácio do Campo das Princesas.
Mais Vida – O prefeito Geraldo Julio inaugura nesta sexta mais um capítulo na história do Mais Vida nos Morros com a entrega das intervenções do programa no Vasco da Gama. O local ganhou novas cores pelas mãos dos próprios moradores, que se engajaram no processo. Ao todo, 350 famílias se mobilizaram nas ações. No Vasco da Gama dois vazios urbanos se tornaram a extensão das casas das famílias servindo como áreas de encontro e convivência entre os moradores: o Espaço Jardim e o Espaço Rosa.
2020 – O deputado estadual Marco Aurélio (PRTB), líder da oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco, esteve reunido com o secretário de Ecoturismo do ministério de Meio Ambiente, Gilson Machado Neto, para discutir as eleições de 2020 na capital pernambucana. O parlamentar foi acompanhado de Fabiano Lourenço e Ricardo Albuquerque do Brasil 200.
Perdendo pra si mesmo – Dos prefeitos que irão para a reeleição na Mata Norte, Bruno Japhet (MDB), de Ferreiros, pode entrar em 2020 com a vida complicada. Faz uma administração atrapalhada, cheia de obras inacabadas e agora perdeu a disputa de dois distritos para Timbaúba. A oposição, que estava enfraquecida, se fortaleceu com as trapalhadas do prefeito e pode vencer as eleições ano que vem.

Inocente quer saber – Teremos algum pernambucano na Esplanada dos Ministérios? 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *