ProntoMaisLab

Sertão Online
Supermercado Queiroz

Dr. Gilson Brito

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Jailson Pneus
Restaurante Império Gourmet SJE
BMG Correspondente Antônio Filho
F. e P. Droga Center
Clínica Santa Lúcia
Casa Shopping Center
ADRIANTUR
Dr. Diego Aragão
O Centenário
Costa Lira
Informatic Center

Eduardo da Fonte

Centro Clinico
Eletro Móveis
Deixe Seu Like

Giro pelos Blog’S ( 18 de maio de 2019)

Coluna Fogo Cruzado –

Desde que se deflagrou, há cinco anos, a “Operação Lava Jato” por meio da qual foi desbaratada a organização criminosa que assaltava os cofres da Petrobrás havia anos, o Brasil passou a acompanhar com mais interesse a ação de seus órgãos fiscalizadores no combate à corrupção. Até aí, nada a reparar. De fato é preciso jogar duro com os que roubam o dinheiro público, independente de sua condição política, econômica ou social. É o que a “Operação” tem feito, apesar de certos excessos praticados por procuradores e juízes. Como disse acertadamente a ministra Laurita Vaz (STJ) no julgamento do habeas corpus que determinou a soltura do ex-presidente Michel Temer, combate à corrupção, sim, mas “caça às bruxas”, não. É preciso ter em mente que corrupção é também um problema cultural, que não se combate apenas com novas leis e sim com a melhoria do nível da educação. Até porque o Brasil tem leis em vigor para todos os gostos. Corrupção existe, sempre existiu e sempre existirá. É preciso, portanto, ter um olho nela, sem esquecer que o país tem outros problemas graves para resolver nas áreas de educação, saúde, segurança, ciência e tecnologia e infraestrutura. Mãos à obra, pois!

Dedicação exclusiva

A AGU publicou ontem no Diário Oficial da União portaria criando instituindo escritórios regionais de dedicação exclusiva ao combate à corrupção, cada um deles com 100 advogados. Advogados públicos que atuavam em casos de corrupção dispersos por diversas áreas ficarão concentrados nos “Grupos Regionais de Atuação Proativa”.

A sorte do presidente

O governo de Bolsonaro só não está mais desarrumado, politicamente falando, por causa do vice Hamilton Mourão e dos ministros Paulo Guedes (Economia) e Sérgio Moro (Justiça). Os três, cada qual a seu modo, têm procurado consertar as bobagens ditas pelo presidente, tirando-o do rumo belicoso que ele decidiu imprimir ao governo.

Porta-voz do liberalismo

Candidato do NOVO a presidente da República em 2018, o empresário João Almoêdo começou a viajar pelo Brasil atrás de potenciais candidatos a prefeito em 2020. Passou 5ª pelo Recife e na 6ª por João Pessoa. É o mais genuíno representante do pensamento liberal no país, que começou a tomar corpo depois que o PT deixou o poder em 2013.

Cargo cobiçado

Como Caruaru tem mais de 200 mil eleitores e horário político de televisão, cresce o número de interessados em disputar a prefeitura nas eleições do próximo ano. Além dos veteranos José Queiroz (PDT) e Tony Gel (DEM), também deverão entrar no páreo o deputado estadual Delegado Lessa (PR) e o deputado federal Fernando Rodolfo (PR).

Responde, José!

Preso por suspeita de corrupção, o ex-ministro José Dirceu (PT) não dá uma explicação convincente aos brasileiros sobre os motivos que o levaram à prisão. Dizer apenas que recebeu dinheiro de empreiteiras pela prestação de serviços de “consultoria” é muito pouco, sobretudo para quem foi 1º ministro no 1º governo do então presidente Lula.

Pelo braço

O prefeito de Paulista, Júnior Matuto (PSB), já começou a preparar o candidato à sua sucessão. É o advogado Francisco Padilha, chefe de gabinete da prefeitura. Ele tem circulado pela cidade ao lado do prefeito, que, por razões óbvias, ainda não pôs o bloco na rua. Só pretende anunciar o nome do candidato em abril do próximo ano.

Prestação de serviço

O escritor Olavo de Carvalho resolveu prestar um serviço ao governo Bolsonaro, ao qual mais atrapalhou do que ajudou desde que começou a dar “pitacos” sobre os seus rumos. Ele disse que não pretende mais “se meter” no atual governo após ter-se atritado, desnecessariamente, com os generais Hamilton Mourão, Villas Bôas e Santos Cruz.

Queiroz metralha Raquel

No mesmo dia que o governador Paulo Câmara (PSB) visitou Caruaru na véspera da sua festa de emancipação política, o deputado José Queiroz (PDT) fez uma avaliação destruidora da gestão da prefeita tucana Raquel Lyra, a quem ajudou a ser eleita no segundo turno e depois rompeu. Para ele, Caruaru vive tempos de perdição.

“A prefeita é fraquinha, fraquinha”, disse, ontem, no Frente a Frente, programa que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, tendo como cabeça de rede a Rádio Folha 96,7 FM. Queiroz avalia que Raquel está perdida. “Ao invés de obras novas ela está destruindo as velhas para reconstruir, como praças tradicionais”, acrescentou.

O deputado disse, ainda, que seu filho, o deputado Wolney Queiroz, repassou R$ 160 milhões em emendas para obras que vêm sendo tocadas por ela devagar, quase parando. “A prefeita tomou mais R$ 84 milhões em empréstimo, mas ninguém sabe onde esse dinheiro foi parar”, insinuou. Queiroz conclui que Caruaru vive dias sombrios.

Gel indica filho – A sucessão de Raquel Lyra (PSDB) em Caruaru vai pegar fogo, principalmente se os grupos de José Queiroz (PDT) e Tony Gel (MDB) se unirem. Já há quem admita que saindo Queiroz na cabeça de chapa para enfrentar a tucana, Gel indicaria o vice. O nome mais cotado seria o do seu filho, o jovem produtor cultural Tonynho Rodrigues, que sonha em entrar para a política.

Itaú em crise – Os banqueiros não estão blindados contra a crise econômica. Um dos bancos em maiores dificuldades é o Itaú, que não suportando o aperto deve fechar 400 agências, das quais 10 em Pernambuco, até o final do ano. Pelo jeito, a recessão vai obrigar muitos bancários a começar o dia lendo os classificados dos jornais.

Abandonado – O prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira (PR), não move uma palha para retomar as obras da maternidade Rita Barradas, paralisadas desde a primeira gestão de Elias Gomes. Apesar de já ter sido investidos mais de R$ 30 milhões no projeto, virou de fato um grande elefante branco enquanto o prefeito só se ocupa em fazer proselitismo político.

Nome do coração – Se dependesse do coração de Geraldo Júlio (PSB) e da sua vontade soberana, o candidato socialista a prefeito do Recife seria o secretário estadual de Planejamento, Alexandre Rebelo. Mas o PSB já faz coro pela candidatura do deputado João Campos, herdeiro político de Eduardo Campos.

Haja simpatia – O presidenciável João Amoedo, do Partido Novo, distribuiu simpatia na passagem pelo Recife na última quinta-feira, quando fez duas palestras, uma na Universidade Federal e outra no Riomar. Quando acabou, foi jantar comum grupo num restaurante no shopping.

NA KOMBI – Para ganhar tempo nos despachos diários com a sua equipe, o presidente da Câmara do Recife, Eduardo Marques (PSB), adotou uma Kombi como transporte. “Já vamos resolvendo ações e encaminhamentos, para chegar nas comunidades e atender as demandas”, diz ele.

EDMAR LYRA BLOG

Paulo Câmara adota tom mais político no segundo governo 

Prestes a completar o quinto mês do seu segundo governo, o governador Paulo Câmara, que nunca tinha exercido nenhum cargo eletivo antes de chegar ao Palácio do Campo das Princesas, está imprimindo um tom muito mais político do que o adotado durante os quatro primeiros anos de mandato. As agendas administrativas estão muito mais frequentes, onde ele entrega ações de seu governo, e as conversas sobre política e demanda das bases estão sendo mais efetivas, de acordo com deputados e prefeitos.

Esse segundo governo, se exitoso, poderá fazer de Paulo Câmara uma liderança política ainda mais representativa, uma vez que temos apenas sete ex-governadores vivos, e dentre eles, somente Mendonça Filho e Jarbas Vasconcelos ainda atuam efetivamente na política, enquanto Joaquim Francisco, Gustavo Krause e João Lyra Neto já sinalizaram para o fim de suas respectivas carreiras políticas.

Paulo Câmara teve o árduo desafio de substituir Eduardo Campos que é considerado o melhor governador de todos os tempos, para piorar, seus dois governos foram de oposição ao governo federal, primeiro com Dilma Rousseff entre 2015 e 2016, depois Michel Temer entre 2016 e 2018 e agora em 2019 com Jair Bolsonaro. Isso sem dúvidas atrapalhou o governo de Pernambuco, que teve como agravante uma crise econômica e fiscal sem precedentes que obriga o governador a estabelecer prioridades restritas para cumprir com suas obrigações essenciais.

A vitória política e eleitoral obtida por Paulo Câmara em 2018 lhe deu uma chance de criar uma marca própria, uma identidade de um governo de resultados, e isso tem sido buscado a cada dia deste segundo governo, que percebeu que não basta fazer as coisas, é preciso que as pessoas percebam o que está sendo feito, e por isso a importância da presença constante do governador em diversas regiões do estado, levando obras e ações, aproximando-se dos pernambucanos e mostrando tudo o que está sendo feito.

Serviços – O prefeito Geraldo Julio acompanha na manhã deste sábado as ações do mutirão de serviços integrados Recife em Ação, no Córrego da Areia. Estarão disponíveis para os moradores serviços de cidadania, saúde, limpeza e manutenção, educação, defesa civil e muitos outros, promovidos pela Prefeitura do Recife, que mobiliza diversas secretarias para o atendimento à população.

Obras – O governador Paulo Câmara vistoria, neste sábado, as obras de urbanização no bairro de Peixinhos (Olinda), nas Unidades de Esgotamento 11 e 12. Com um investimento de R$ 72 milhões, a intervenção contempla o serviço de terraplenagem, pavimentação, drenagem e esgotamento sanitário de 35 ruas, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e com execução a cargo da Companhia Estadual de Habitação e Obras (Cehab), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação.

São Francisco – A Frente Parlamentar em Defesa do Rio São Francisco promoveu duas audiências públicas no Sertão. Cabrobó e Floresta, municípios de onde partem os eixos norte e leste da transposição, receberam as discussões que mobilizaram representantes do poder público, comunidades indígenas, ambientalistas, estudantes e a sociedade civil nos debates sobre os riscos que o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG) representa para o Velho Chico. Os deputados estaduais Lucas Ramos (PSB) e Fabrizio Ferraz (PP), coordenador e vice-coordenador do colegiado, conduziram as reuniões.

Estradas – O governador Paulo Câmara lança, na próxima segunda-feira,no Palácio do Campo das Princesas, o Programa Caminhos de Pernambuco, o maior programa de reestruturação da malha viária estadual, com investimento de R$ 505 milhões até 2022. A ação vai requalificar, já no primeiro ano, cerca de dois mil quilômetros de rodovias. O programa visa a otimizar a gestão da manutenção do pavimento para a garantia da trafegabilidade nas estradas, além de maior durabilidade, com foco nos serviços de capinação, desobstrução dos dispositivos de drenagem, requalificação asfáltica e sinalização.

Largou na frente – O prefeito Anderson Ferreira largou na frente do governador Paulo Câmara ao criar o Fundo Municipal do Trabalhador. Um dia depois da lei ser sancionada em Jaboatão, o governador sancionou o Fundo Estadual do Trabalhador. Jaboatão, por sinal, é a única cidade pernambucana a ter o FMT.

Pulando – A vice-prefeita de Camaragibe, Nadegi Queiroz, anda pulando de galho em galho atrás de partido para disputar a prefeitura em 2020. Nadegi foi afastada da  atual gestão por suspeita de fraude em licitação quando era secretária de Saúde do município.

Paulista – O ex-prefeito de Paulista, Yves Ribeiro, anunciou que está construindo um projeto para as eleições de 2020 na cidade. Ele afirmou que contará com o apoio do seu ex-vice-prefeito Duffles Pires, e do atual vice-prefeito Jorge Carreiro. A candidatura de Yves anima a disputa em Paulista, que está completamente dominada pelo prefeito Junior Matuto.

Desgaste – Tem sido impressionante o desgaste do deputado federal Daniel Coelho com a denúncia de um suposto funcionário fantasma em seu gabinete que devolvia parte do salário ao parlamentar. Com um eleitorado cativo na classe média, Daniel Coelho, que já teve uma redução abrupta na sua votação em 2018, perdendo mais de 40 mil votos, poderá ter sérias dificuldades nas próximas eleições devido o eleitorado dele se dizer decepcionado com as denúncias envolvendo seu nome.

Inocente quer saber – Marília Arraes não está gostando de ser deputada federal?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *