ProntoMaisLab
Sertão Online
Supermercado Queiroz

Dr. Gilson Brito

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Jailson Pneus
Restaurante Império Gourmet SJE
BMG Correspondente Antônio Filho
F. e P. Droga Center
Clínica Santa Lúcia
Casa Shopping Center
ADRIANTUR
Dr. Diego Aragão
O Centenário
Costa Lira
Informatic Center

Eduardo da Fonte

Centro Clinico
Eletro Móveis
Deixe Seu Like

Giro pelos Blog’S (11 de junho de 2019)

Biografia de Moro com nova mácula

por Inaldo Sampaio

Coluna Fogo Cruzado 

Sérgio Moro não será exonerado do Ministério da Justiça pelo fato de o portal “The Intercept” ter divulgado no último domingo uma troca de mensagens entre ele e o procurador Deltan Dallagnol, sobre a Operação Lava Jato, que conduzira o ex-presidente Lula à prisão. Também não deixará de ser o ministro mais popular do presidente Bolsonaro pela coragem que teve de decretar a prisão do ex-presidente, bem como dos maiores empreiteiros do Brasil, sendo improvável, ainda, que esteja na “frigideira” como afirma o jornalista Elio Gaspari pela suposta decisão de disputar a Presidência da República em 2022. Afinal, quando o presidente o convidou para o Ministério da Justiça e Segurança Pública sabia que o então juiz da Lava Jato era quase uma unanimidade nacional. Convidou-o exatamente por isso e por essa mesma razão deseja mantê-lo no governo até a data de despachá-lo para a vaga de Celso de Mello no STF. O que Moro não tem como apagar é mais essa mancha em sua biografia de magistrado. A condenação de Lula pode até ter sido correta do ponto de vista técnico-jurídico, tanto que foi confirmada por tribunais superiores. Mas a troca de “figurinhas” entre o juiz e o Ministério Público Federal sobre o cerco ao ex-presidente é um desvio ético que vem a se juntar a outro igualmente grave: a autorização dada por ele para que o Brasil tivesse conhecimento de uma conversa telefônica entre Lula e Dilma Rousseff, divulgação que sabia ser ilegal mas mesmo assim deu o aval para que ela ocorresse.

De hoje não passa

Líder informal do “fórum de governadores”, João Doria (SP) espera que na reunião de hoje, no DF, à qual Paulo Câmara não comparecerá, pelo menos 6 dos 9  nordestinos declarem apoio à reforma previdenciária. Sete dos 9 já estão de acordo que a reforma deve abranger também estados e municípios. Só falta agora descer do muro e trabalhar pela sua aprovação.

Fora da executiva

Raquel Lyra, prefeita de Caruaru, não pretende brigar para ter espaço na futura executiva regional do PSDB, que será definida na próxima quinta-feira (12). Deverão ter espaço na nova direção os prefeitos Joaquim Neto (Gravatá), Joãozinho Tenório (São Joaquim do Monte) e Judite Botafogo (Lagoa do Carro), além do ex-deputado Betinho Gomes.

Pelas regras únicas

O presidente da Amupe, José Patriota (PSB), é um dos signatários do manifesto entregue ao relator da reforma da previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP), pela Confederação Nacional dos Municípios, pedindo regras únicas para a União, os estados e os municípios. Pernambuco tem 142 municípios com fundos próprios, dos quais 136 não têm equilíbrio atuarial.

Quem avisa amigo é

Bolsonaro voltou a usar as redes sociais para pressionar o Congresso a aprovar um crédito suplementar no valor de R$ 248 milhões em favor da União, sob pena, disse ele, de faltar dinheiro para o Pronaf, a Bolsa Família, as aposentadorias rurais e o Benefício de Prestação Continuada. São exatamente esses 4 itens que movimentam a economia de 70% dos municípios do Nordeste.

Primeiros candidatos

Os deputados João Campos (PSB) e Túlio Gadelha (PDT) já começam a se movimentar visando à disputa pela sucessão do prefeito Geraldo Júlio (PSB). Marília Arraes (PT) também gostaria de disputar, mas vai ter que se entender primeiro com Humberto Costa, que controla o partido. E o deputado Wanderson Florêncio está aguardando uma convocação oficial do PSC.

Em defesa da Chesf

A Câmara Federal instalará amanhã uma Frente Parlamentar em defesa da Chesf, empresa que já pode ser privatizada sem autorização do Congresso, segundo definiu o STF. Em passado recente, era possível mobilizar partidos de esquerda e movimentos sociais em defesa da Chesf, da Sudene e do BNB. Mas, hoje, quem sairia de casa para defender essas instituições?

Pelo tombamento de Vilaça

O escritor Marcos Vilaça foi homenageado ontem pela Academia Pernambucana de Letras, da qual foi presidente, pela passagem dos seus 80 anos que só ocorrerá no próximo dia 30. Na presidência da extinta LBA, na ABL (da qual também foi presidente) e no TCU, ele sempre foi um divulgador apaixonado das coisas de Pernambuco, pelo que merece ser tombado.

Situação de Moro se complica

Os vazamentos das mensagens trocadas por integrantes do Ministério Público Federal com o então juiz Sérgio Moro, revelando que o agora ministro da Justiça orientou o procurador Dalton Dallagnol a apressar com as investigações envolvendo o ex-presidente Lula, deixaram Moro em maus lençóis. Mais do que isso, arranharam a sua reputação de juiz.

Não cabe a um magistrado a agir de forma parcial, como sugerem as gravações postadas pelo site Intercept e que contribuíram para contaminar o ainda mais conturbado ambiente de Brasília. Dallagnol chega a advertir Moro, num determinado trecho hackeado, ter dúvidas sobre eventuais provas para incriminar Lula. Isso excitou a base Lulista no Congresso Nacional.

Já se fala em medidas e recursos que possam levar a anular a condenação do ex-presidente, mas os mais sensatos acham que para enveredar pelo caminho que o PT almeja existe uma barreira jurídica enorme.

CPI ou CONVOCAÇÃO – Já há no Congresso quem defenda a abertura de uma CPI para investigar os áudios comprometedores do ministro Sérgio Moro. Os líderes governistas, entretanto, entraram em ação ontem mesmo para barrar uma CPI. No lugar, sugerem a convocação do ex-juiz e do procurador Dallagnol para depoimento no plenário da Câmara dos Deputados ou do Senado.

Sensacionalismo – Pelas redes sociais, o ministro Sérgio Moro divulgou uma nota sobre o vazamento dos áudios. Lamentou a invasão de sua privacidade, condenou a não identificação do autor e afirmou: “Nas mensagens que me citam não se vislumbram qualquer anormalidade ou direcionamento da minha atuação enquanto magistrado. São puro sensacionalismo”.

Escândalo – A coluna está de posse do extrato de contrato de aluguel de uma casa de recepções em Caruaru, iniciativa da prefeita de Raquel Lyra (PSDB), pela bagatela de R$ 634 mil. Servirá para realização de exposições, simpósios, palestras, encontros, seminários, cursos, capacitações, feiras, dentre outros eventos da Prefeitura Municipal. Deve ser banhada a ouro.

Magalhães – O líder do Governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), costuma embarcar para Brasília às segundas-feiras pela manhã. Mas ontem viajou à tarde para atender ao ex-governador Roberto Magalhães, com quem teve uma longa conversa.

O aliciador – O prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira (PR), tenta aliciar para o seu palanque em 2020 o ex-vereador Neco, seu adversário em 2016. Prometeu nomear secretário o vereador Nando Ceres, o que abriria vaga na Câmara para Neco Filho, herdeiro de Neco.

IMPARCIALIDADE – Ainda sobre o vazamento dos áudios envolvendo Sérgio Moro, o deputado Danilo Cabral (PSB) diz que pré-julgamentos precisam de uma apuração rigorosa. E sentencia: O estado democrático de direito pressupõe a essencial imparcialidade da justiça. Ninguém está acima da lei”.

Perguntar não ofende: Quais as novas bombas contra Moro que virão via hackers?

Relação entre Moro e Dallagnol beira a promiscuidade, diz a Folha

Reprodução: <p>moro dallagnol</p>

“Quem acompanha a movimentação de juízes, policiais e procuradores desde que se instalaram as mais ambiciosas e bem-sucedidas operações anticorrupção no Brasil não se surpreendeu, infelizmente, com a revelação da proximidade, às raias da promiscuidade, entre o então magistrado federal Sergio Moro e investigadores da Lava Jato”, aponta editorial da Folha

Moro fragilizou Lava Jato ao trabalhar para Bolsonaro

: <p>Jornalista Míriam Leitão</p>

“No momento em que o ex-juiz Sérgio Moro deixou a 13ª Vara Federal para ir para o governo Bolsonaro, ele fragilizou a operação. Os diálogos divulgados agora são outra razão do enfraquecimento. Para avançar será preciso estar cada vez mais longe da briga político-partidária brasileira. O inimigo é a corrupção e não um partido. Quem pensou diferente disso, errou”, diz a jornalista Miriam Leitão.

Mensagens de Moro podem inocentar Lula, admite Merval

: <p>merval</p>

“Há uma corrente de criminalistas que entende que as provas ilegais podem ser usadas para defender o réu. Se elas demonstram a parcialidade do julgador, podem ajudar a soltar o condenado, que é o que querem para Lula”, aponta o jornalista Merval Pereira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *