Miss Dourada

Gordo Construções
AC- Assessoria Contábil e Tributária
Dr. Fred Barros
Odonto Center
Sertão Online
Supermercado Queiroz
PASC – Mais Saúde
Dr. Gilson Brito

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Jailson Pneus
Restaurante Império Gourmet SJE
BMG Correspondente Antônio Filho
F. e P. Droga Center
Clínica Santa Lúcia
Casa Shopping Center
ADRIANTUR
Costa Lira
Informatic Center
Eduardo da Fonte
Farmácia Boa Saúde
Centro Clinico
Eletro Móveis
Deixe Seu Like

Chavões de Bolsonaro não elegem presidente

Coluna Fogo Cruzado – 24 de maio de 2018

Bolsonaro convidou o economista Paulo Guedes para assessorá-lo, mas nada aprendeu sobre economia

Bolsonaro surgiu na cena política deste ano como um fenômeno eleitoral. Capitão do Exército reformado, elegeu-se cinco vezes para a Câmara Federal pelo Estado do Rio de Janeiro defendendo o ideário do golpe militar de 64. Ao se colocar como candidato a presidente da República, rapidamente aproximou-se dos dois dígitos na preferência do eleitorado, perdendo apenas para Lula que está na primeira colocação, embora seja também o candidato mais rejeitado. Como não entende patavina de economia, o deputado convidou o economista Paulo Guedes para orientá-lo nessa área, mas até agora nada aprendeu sobre a conjuntura econômica nacional. Nas entrevistas que dá todos os dias, tem sempre uma frase de efeito na ponta da língua, geralmente sobre segurança pública, para tentar transmitir a impressão de que com ele na Presidência da República o Brasil ficará livre de bandidos. Seus “chavões” mais conhecidos são “bandido bom é bandido morto” e “prefiro cadeia cheia de vagabundos a cemitério cheio de inocentes”. Isso pode até sensibilizar algumas camadas da população, mas para chegar ao Palácio do Planalto é muito pouco. Se o deputado quiser sentar na cadeira de presidente, tem que estudar mais os problemas do país e dizer o que propõe para tentar solucioná-los. Se for aos debates de TV para repetir os mesmos “chavões” que o Brasil inteiro já conhece, nivelar-se-á (com a licença de Michel Temer) a Marina Silva e será desconstruído por si só.

Cassação de diploma

A juíza eleitoral de Camaragibe, Luciene Roberta Pontes, cassou anteontem os diplomas do prefeito e do vice de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB) e Nadegi Queiroz, respectivamente. Eles foram acusados de abuso de poder econômico. A prova foi o áudio de uma reunião em que ambos “compraram” o apoio do PCdoB e do PEN por R$ 30 mil e promessa de cargos na prefeitura. O autor da ação foi o ex-prefeito Jorge Alexandre (PSDB).

A força – Está provado que não é a CUT nem a Força Sindical que têm força política para encurralar o governo e paralisar o Brasil, e sim os caminhoneiros. Eles deram um nó no governo Temer e obrigaram o presidente da Petrobrás, Pedro Parentes, a reduzir o preço do diesel.

Cabo a rabo – O deputado Álvaro Porto (PTB) prefere Sílvio Costa (Avante) como candidato a senador na chapa de Armando Monteiro e só aceita a candidatura de André Ferreira (PSC) se a coligação PTB-PSC for de cabo a rabo. “Chapinha isolada do PSC eu não aceito”, avisou.

A chapona – A “chapinha” que Eduardo da Fonte (PP) começou a montar para deputado estadual virou “chapona” porque conta com nada menos que 14 deputados estaduais. Desses, apenas 8 deverão retornar à Assembleia Legislativa. Os “camurins” da chapa começam a correr.

É federal – De olho no grande eleitorado de Santa Cruz do Capibaribe, o vereador Ernesto Maia (PT) resolveu disputar uma cadeira na Câmara Federal. Ele é sobrinho de José Augusto Maia, ex-prefeito e ex-deputado federal, que agora é candidato a estadual.

Sem federal- Três moradores de Araripina vão disputar cadeira na Assembleia Legislativa: Roberta Arraes (PP), Socorro Pimentel (PTB) e Aluizio Coelho (PSC). As duas primeiras já têm mandato e o 3º foi candidato a prefeito em 2014. Em compensação, não há um só candidato do Araripe a deputado federal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *