Dr. Robson Stênio

Miss Dourada

Gordo Construções
AC- Assessoria Contábil e Tributária
Dr. Fred Barros
Odonto Center
Sertão Online
Supermercado Queiroz
PASC – Mais Saúde
Dr. Gilson Brito

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Jailson Pneus
Restaurante Império Gourmet SJE
BMG Correspondente Antônio Filho
F. e P. Droga Center
Clínica Santa Lúcia
Casa Shopping Center
ADRIANTUR
Costa Lira
Informatic Center
Eduardo da Fonte
Farmácia Boa Saúde
Centro Clinico
Eletro Móveis
Deixe Seu Like

Segundo a Apac os próximos 3 meses (Out/Nov/Dez) são os mais secos do ano

A primavera começou no Hemisfério Sul a partir desta terça-feira (22). Em Pernambuco, essa estação traz preocupação para a região do interior do estado. Segundo Patrice Oliveira, gerente de meteorologia da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), os próximos três meses são os mais secos do ano.

“Não chove quase nada, principalmente no semiárido, em parte do Agreste e do Sertão. A umidade baixa muito, então nós temos sempre que estar monitorando essa umidade do ar para lançar alertas quando necessário”, disse durante entrevista ao Bom Dia Pernambuco desta terça-feira (22).

No dia 11 deste mês, o governo de Pernambuco decretou, por 180 dias, situação de emergência em 55 cidades do Sertão, em razão de à estiagem prolongada. Os municípios presentes na lista podem ganhar recursos e auxílios para lidar com o problema.“Neste período, as chuvas param. Podemos ter pancadas pela manhã, logo cedinho, principalmente no litoral. Mas, no restante do estado, há pouca chuva, são inexpressivas”, esclareceu o meteorologista. Ainda de acordo com Patrice, a principal característica da primavera é que os dias são iguais às noites, o que faz o aumento de temperatura até chegar no verão, que começa em 21 de dezembro. Já os ventos fortes, registrados em junho e julho deste ano, ainda continuam. “Até o mês de novembro, nós vamos registrar rajadas de vento superiores a 11 ou 10 metros por segundo”, falou.

O meteorologista afirmou que há previsão de mais chuvas para o interior do estado em 2021.“Nós acreditamos que este ano nós estaremos sob efeito do La Niña, que é o resfriamento da área do Pacífico equatorial. Esperamos que este ano, em comparação com anos que tivemos o El Niño [aquecimento da área do Pacífico equatorial], seja diferente. A gente não ter El Niño e ter La Niña já é um bom princípio para as chuvas do próximo ano para o semiárido, é um ponto positivo”, disse. Com informações do G1 PE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *