Dr. Robson Stênio

Miss Dourada

Gordo Construções
AC- Assessoria Contábil e Tributária
Dr. Fred Barros
Odonto Center
Sertão Online
Supermercado Queiroz
PASC – Mais Saúde
Dr. Gilson Brito

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Jailson Pneus
Restaurante Império Gourmet SJE
BMG Correspondente Antônio Filho
F. e P. Droga Center
Clínica Santa Lúcia
Casa Shopping Center
ADRIANTUR
Costa Lira
Informatic Center
Eduardo da Fonte
Farmácia Boa Saúde
Centro Clinico
Eletro Móveis
Deixe Seu Like

Faleceu no Recife o Poeta e Bon Vivant Antônio de Catarina

( Antonio de Catarina na Rua da Baixa, aonde sempre foi um apaixonado)

 

Faleceu em Recife, na tarde desta segunda-feira (12/10), aos 83 anos, Antônio Bezerra , popularmente conhecido como Antonio  de Catarina. Vítima do Covid-19, após vários dias internados no Hospital da Aeronáutica. Antonio foi um amigo dos estudantes de SJEgito e do Pajeú, sua casa , quando morava no Recife, nos finais de semana era um ponto de encontro da boa música e principalmente da poesia pajeuzeira,  da cultura popular foi um Mecenas(Protege artistas, homens de letras ou de ciências, proporcionando recursos financeiros, ou que patrocina, de modo geral, um campo do saber ou das artes.)  Antonio era referência dos cantadores de viola. Deixou amigos e muitas paixões, não tinha filhos, deixou sua companheira Edileuza, que recentemente superou o coronavirus, ficando vários dias internada.
Antonio o Bon Vivant era um homem bem-humorado, alegre, que gostava e saba aproveitar os prazeres que a vida lhe proporcionou. Soube  aproveitar os prazeres da vida, uma boa dose de whysk , uma boa prosa, poesia de viola e declamada. Antonio de Catarina era Sargento da Aeronáutica (Controlador de Vôo) . Membro Honorario dos Cavaleiros da Rosa Mística de Tabira, amava o carnaval. Ainda não foi divulgado o horário do velório e sepultamento, ainda não foi informado o horário da chegada do corpo em SJEgito.
Dentre as muitas poesias deixou uma que será lembrado , pois era quase sua biografia:
“Me envolvi com milhões de colombinas
Nesta vida sambei o quanto quis
Dei a volta por cima, pedi bis
Entre lanças, confetes, serpentinas
Fui amante das damas mais grã finas
Disputado por elas no salão
Mas depois a velhice fez plantão
E acabou sem querer meu festival
Fiz da vida um eterno carnaval
Terminei pierrot da solidão”
Antônio de Catarina
Mote de Cicinho Gomes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *