Clínica Médica
Dr. Robson Stênio

Auto Unidos
Miss Dourada

Dr. Fred Barros
Gordo Construções
AC- Assessoria Contábil e Tributária
Odonto Center
Sertão Online
Supermercado Queiroz
PASC – Mais Saúde
Dr. Gilson Brito

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Jailson Pneus
BMG Correspondente Antônio Filho
Clínica Santa Lúcia
Casa Shopping Center
ADRIANTUR
Costa Lira
Farmácia Boa Saúde
Centro Clinico
Deixe Seu Like

Relembre as contribuições do Instituto Butantan antes da Coronavac, desde 1901

Publicado no site Brasil de Fato

O Instituto Butantan, em São Paulo, foi o responsável pela produção da primeira vacina contra covid-19 aplicada no Brasil. A Coronavac, fabricada em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, é a conquista mais recente de uma instituição que atende as demandas de saúde pública do país desde 1901. Nesses 120 anos de história, soros e vacinas produzidos no Butantan foram decisivos para o aumento da expectativa de vida no Brasil e para o combate a doenças que hoje estão praticamente erradicadas. O Brasil de Fato fez uma retrospectiva dessa trajetória e levantou algumas das principais contribuições da instituição para o país.

Confira a linha do tempo:

1901: A produção de soros antiofídicos, usados contra veneno de cobras, é uma das marcas do Instituto Butantan desde sua fundação. Os primeiros foram o anticrotálico, para combater o veneno de diversas espécies de cascavel, o antibotrópico, contra veneno de jararaca. No mesmo ano, também começou a produção de soros e vacinas antipestosas, contra a peste bubônica, transmitida por roedores.

1906: Soro antidiftérico, para combater a difteria.

1911-1915: Soro antielapíneo, para combater o veneno de diversas espécies de cobra coral, e início da produção de soro antitetânico.

1916: Soros para combate ao tifo e à desinteria, e contra picadas de escorpião.

1917: Início da produção de soro, a partir de ovelhas e cabras, para tratamento de distúrbios menstruais.

1918-1919: Em plena pandemia de gripe espanhola, que matou entre 20 e 40 milhões de pessoas em todo o planeta, o Instituto Butantan oferecia, por meio de parceria com a Casa Armbrust, medicamentos para combater a gripe. Em 1918, também foi desenvolvida uma vacina contra a gonorreia, infecção sexualmente transmissível.

1920: Vacinas contra a meningite.

1921-1925: Sete vacinas polivalentes contra diversas doenças bacterianas e vacinas contra a hanseníase e a varíola.

1926: Vacina BCG, contra a tuberculose, e soro para combater veneno de aracnídeos.

1927-1928: Vacina TAB, contra a febre tifoide, vacina contra a difteria e soro para combate à escarlatina.

1932: Vacina tífica-desintérica injetável e soro contra a coqueluche.

1939-1944: Vacina contra a Febre Maculosa Brasileira (FMB) e novas vacinas combinadas contra tifo, paratifo e desinteria.

1949-1953: Vacinas contra a raiva e contra a febre amarela.

1970-1972: Vacinas contra cólera e sarampo. Modernização da vacina BCG de 1926, aumentando a estabilidade do produto e facilitando o transporte e armazenamento.

1973: Início do programa Nacional de Imunização (PNI), considerado um dos maiores do mundo. O Butantan fornece de 60 a 80% dos imunobiológicos para este programa.

1980-1984: Soros trivalente e polivalente contra veneno de aracnídeos.

1996: Soro antilonômico, usado no tratamento de acidentados com taturana oblíqua.

1999: Vacina contra a hepatite B.

2002: Vacina contra a influenza (gripe), por meio de parceria para transferência tecnológica com a Sanofi Pasteur.

2009: Vacina Influenza Trivalente, contra o vírus H1N1, causador da gripe suína, e outros dois tipos de gripe.

2013: Butantan inicia processo de transferência tecnológica para produção de vacina contra o HPV, o que permitirá a autossuficiência brasileira na produção desse imunizante.

2016: Início de desenvolvimento da vacina contra a dengue, em parceria com um dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH).

2020: Vacina contra a covid-19, em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Disputa política  |  Em resposta ao negacionismo e à propaganda antivacina difundida por Jair Bolsonaro (sem partido), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), tem buscado capitalizar os logros do Butantan no desenvolvimento da Coronavac. O tucano posou ao lado da primeira brasileira vacinada contra a covid-19, no último domingo (17), e chorou diante das câmeras. Apesar da propaganda com objetivos políticos, cerca de 60% do financiamento do Butantan vem do governo federal. O Ministério da Saúde é o maior comprador de imunizantes e soros, além de manter outros convênios.

“Os repasses do estado vêm se reduzindo ao longo dos governos do PSDB em São Paulo”, alertou na semana passada o ex-ministro da Saúde e deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP).

“É uma política de asfixia do desenvolvimento tecnológico. O governo Dilma Rousseff, enquanto o governo estadual [então de Geraldo Alckmin, do PSDB] asfixiava o orçamento do Butantan, aumentava a participação da União. Hoje, a asfixia pelo governo do PSDB continua”, ressaltou Padilha. Em três oportunidades, ao longo de 2020, Doria tentou reduzir o investimento do estado em ciência e tecnologia, mas recuou após pressão da comunidade científica e da oposição.  Além dos soros e vacinas mencionados nesta matéria, o Butantan desenvolve estudos e pesquisa básica nas áreas de biologia e de biomedicina e realiza missões científicas no país e no exterior por meio das Organizações Mundial e Panamericana da Saúde (OMS e Opas), Organização das Nações Unidas (ONU) e Fundo Internacional de Emergência para a Infância das Nações Unidas (Unicef). O instituto desenvolve ainda projetos de pesquisas básica e aplicada, tais como estudos sobre animais peçonhentos, agentes patogênicos, inovação e modernização dos processos de produção e controle de imunobiológicos, além de estudos clínicos, terapêuticos e epidemiológicos relacionados a acidentes causados por animais peçonhentos. Quatro museus também são administrados pelo Butantan, que é responsável por atividades educacionais e de pesquisa: Museu Biológico, Museu Histórico, Museu de Microbiologia e Museu de Saúde Pública Emílio Ribas.

O instituto também capacita estudantes por meio de estágios em nível de iniciação científica e possui programas de especialização, mestrado, doutorado e cursos de curta duração na área da saúde. No MBA Gestão da Inovação em Saúde, o instituto compartilha conhecimentos sobre todas as etapas e processos existentes entre pesquisa, inovação, patenteamento, produção e comercialização de produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *