Clínica Médica
Dr. Robson Stênio

Auto Unidos
Miss Dourada

Dr. Fred Barros
Gordo Construções
AC- Assessoria Contábil e Tributária
Odonto Center
Supermercado Queiroz
PASC – Mais Saúde
Dr. Gilson Brito

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIAR

Jailson Pneus
BMG Correspondente Antônio Filho
Clínica Santa Lúcia
Casa Shopping Center
ADRIANTUR
Costa Lira
Farmácia Boa Saúde
Centro Clinico
Deixe Seu Like

Há 33 anos, Exército disse o que pensava sobre Bolsonaro: “indigno para a carreira das armas”

Órgão de imprensa oficial do Exército publicou em fevereiro de 1988 um texto que diz que Bolsonaro e outro capitão “faltaram com a verdade e macularam a dignidade militar” e são “considerados indignos para a carreira das armas”, após Bolsonaro tentar estourar bombas em unidades militares.

O jornalista Rubens Valente, em sua coluna no portal UOL, relata que, “há 33 anos, em uma quinta-feira como hoje, o ‘Noticiário do Exército’, veículo oficial da instituição produzido no Quartel General do Exército em Brasília, circulou com um raro editorial na capa. Trata-se de uma manifestação de desapreço que circulou por todas as unidades militares no território nacional contra o então capitão Jair Bolsonaro, na época com 32 anos”.

“Intitulado ‘A verdade: um símbolo da honra militar’, o texto de 25 de fevereiro de 1988 diz que Bolsonaro e outro capitão “faltaram com a verdade e macularam a dignidade militar”. Cita conclusões de ‘Conselhos de Justificação’ instaurados para investigar os dois militares depois que a revista ‘Veja’ divulgou, em outubro de 1987, reportagem sobre um suposto plano de Bolsonaro para estourar bombas em unidades militares. De acordo com a revista, a ideia de Bolsonaro era protestar contra os baixos salários dos militares e, assim, prejudicar o comando do então ministro do Exército, Leônidas Pires Gonçalves. Em junho de 1988, Bolsonaro acabou absolvido das acusações pelo STM (Superior Tribunal Militar)”, relata o jornalista.

O jornalista acrescenta que “as conclusões do Exército do início daquele ano foram totalmente diferentes, como descreve o editorial de 16 parágrafos do ‘Noticiário’. ‘ fato e tais circunstâncias tornaram os oficiais passíveis de serem considerados impedidos de continuar a pertencer aos quadros de nosso Exército, se assim forem julgados pelo STM. O Exército tem, tradicionalmente, utilizado todos os meios legais para extirpar de suas fileiras aqueles que, deliberada e comprovadamente, desmerecem a honra militar. A verdade é um símbolo da honra militar’, diz o editorial”.

Segundo Valente, o texto do exército ressalta que “Tornaram-se [Bolsonaro e seu colega], assim, estranhos ao meio em que vivem e sujeitos tanto à rejeição de seus pares como a serem considerados indignos para a carreira das armas. Na guerra, já plena de adversidades, não se pode admitir a desonra e a deslealdade que não do lado inimigo, jamais do lado amigo.”