1-banner1500x363

Menos de 50% dos municípios do Pajeú participaram de reunião com grupo Fé e Política

Reunião apresentou cartilha de educação ambiental para a preservação da Caatinga

Por André Luis/ Blog Nill Jr

Nesta quinta-feira (21), uma reunião promovida pelo grupo Fé e Política Dom Francisco, da Diocese de Afogados da Ingazeira, em parceira com a ASA e o Centro Sabiá, apresentou e distribuiu a cartilha: “Caatinga Guardiã da Água”, para representantes de municípios do Sertão do Pajeú.

A finalidade do grupo Fé e Política é que a cartilha seja usada como material didático nas salas de aula das escolas municipais da região, buscando conscientizar as gerações futuras sobre a importância da preservação de nosso bioma.

A reunião aconteceu na sede do Consórcio de Integração dos Municípios do Pajeú – Cimpajeú, em Afogados da Ingazeira.

Os dezessete municípios do Pajeú confirmaram presença, mas apenas seis compareceram. Afogados da Ingazeira, Carnaíba, Tabira, Ingazeira, Tuparetama e Brejinho.

Dos onze restantes, apenas Triunfo justificou a falta alegando motivos superiores.

Procurado pela redação do Blog do Nill Júnior, o professor Adelmo Santos, informou que cada município presente recebeu entre 100 e 500 cartilhas, dependendo da demanda apresentada pelas próprias cidades anteriormente. “Os municípios que não compareceram irão receber na sede do Cimpajeú”, explicou o professor.

Adelmo informou ainda que a coordenadora de Educação do Campo da Gerência Regional de Educação, Adriana Marques, também participou da reunião. “As escolas do Estado também participarão dessa importante ação, por meio das EREMs e das escolas de educação do campo”, esclareceu.

O professor informou que o grupo Fé e Política, avaliou a reunião positivamente. “Independente de ter uma participação de menos de 50% do território. Os municípios que vieram é porque estão interessados em desenvolver ações pela recuperação e conservação do nosso bioma Caatinga” afirmou Adelmo.

Ainda segundo o professor, uma das questões debatidas foi a importância de se trabalhar os conteúdos da cartilha, além da sala de aula. “As escolas podem desenvolver ações que impliquem os gestores municipais nessa agenda ambiental”, pontuou Santos