1-banner1500x363

ARRE MEDO é o novo livro de poesia do pajeuzeiro Tárcio Oliveira.

Nenhuma descrição disponível.

A produção literária do Pajeú ganha mais uma publicação e desta vez o livro de poesias vem da cidade de Tuparetama. Trata-se de uma coletânea de poemas como o título de ARRE MEDO publicadas pelo produtor cultural, artista plástico e ex-secretário de Cultura Tárcio Oliveira. Tárcio é mais conhecido pelos seus trabalhos e atuação nos segmentos de artes visuais e nas redes sociais tendo inclusive mantido por muitos anos, de 2004 a 2020 o blog www.tarcioviuassim com 2 milhões de acessos. No entanto ele também sempre escreveu poesias, contos, crônicas e textos de teatro. “Eu sempre tive um certo receio de publicar as versões impressas de meus trabalhos, por questões como autocrítica, custos altos de impressão e pequeno alcance de público. Agora com o avanço das plataformas digitais e benefícios oferecidos, decidi editar alguns dos meus escritos que considero publicáveis” explicou o autor ao nosso blog. Mas este não é seu primeiro livro publicado na Amazon. Desde julho do ano passado está disponível para venda o livro escrito em parceria com o ex-prefeito Vitalino Patriota, ENTRE O CÉU E A TERRA, que conta a trajetória de Vitalino como repentista em sua mocidade, depois professor e três vezes prefeito de Tuparetama.Nenhuma descrição disponível.

O novo livro de Tárcio, ARRE MEDO, que também traz ilustrações criadas pelo autor, está disponível desde essa segunda-feira (24/01) apenas na versão digital como e-book na livraria da amazon.com.br. É fácil localizar e comprar o livro através da ferramenta de busca na aba “livros” da Amazon digitando o nome do autor ou o título.

Na apresentação do livro o autor explica aos leitores: “ARRE MEDO é uma seleção de poemas avulsos escritos entre 1992 e 2012. São experiências e experimentos no terreno da poesia que interrogam conceitos de autoria, originalidade, confissão e memória, anonimato e exposição. Não se assuste, embora pareça pretencioso o livro ARRE MEDO pretende mesmo é ser acessível, inteligível e sobretudo aquilo que almeja toda obra poética: ir direto ao miolo do sentimento de todas as almas viventes.
Experimenta.”