Pobreza de vergonha, vergonha da pobreza

O Imds (Instituto Mobilidade e Desenvolvimento Social), entidade fundada e financiada pelo economista Armínio Fraga, acaba de divulgar um importante estudo sobre a pobreza no Brasil. Para tristeza geral, revelou-se que 47,3 milhões de brasileiros terminaram o ano passado na pobreza. Isto equivale a 22,3% do total da população brasileira, o maior percentual em dez anos.

Isso é ainda mais triste porque o Brasil vinha melhorando de maneira expressiva a distribuição de renda e a redução da pobreza. Erros de políticas públicas e o surgimento da pandemia reverteram essa aparente tendência positiva. Quando olhamos os dados com cuidado, nota-se que a piora foi generalizada. Praticamente 11 milhões de brasileiros caíram na pobreza em 2021. É como se Pernambuco inteiro e mais dois estados de Roraima fossem jogados na pobreza em um único ano.

E, o ainda mais grave: mais de 6,3 milhões caíram para a extrema pobreza, o que equivale a mais do que a população combinada de cinco estados, Roraima, Amapá, Acre, Tocantins e Rondônia. Assim, agora em 2022 o País se depara com mais de 20 milhões de brasileiros na condição de extrema pobreza, equivalente à população de 10 estados, duas vezes a população de Portugal passando fome, exatamente num País, o Brasil, que é o maior exportador de alimentos do planeta.

O mais grave é que os brasileiros do futuro, com idades de zero a 17 anos, estão entre os mais atingidos e sacrificados. A pobreza infantil destrói o futuro de 19 milhões de crianças e adolescentes em 2022, o que significa mais de um terço deste contingente populacional. É verdade que a pobreza atingiu o Brasil inteiro, em todos os segmentos.

No entanto, quem mais sofreu e continua a sofrer é a população negra, 73% do total de quem foi jogada na pobreza e na miséria. Outra revelação é que tudo se concentra nas regiões e estados mais pobres, sobretudo do Nordeste. Assim, aumentam as desigualdades regionais no Brasil. Ou seja, o Nordeste representa 27% da população brasileira, porém pagou com 50% de todos os que caíram na pobreza em 2021, 5,5 milhões.

O Nordeste detém, agora, 22,8 milhões de pobres, praticamente 40% de todos os pobres do Brasil. Essa desigualdade é insustentável, anti-humana, anticristã. Brasileiro algum poderia passar fome, enquanto alimentamos 1,4 bilhão de chineses e outros contingentes imensos mundo afora. Não, isso tem que acabar, e logo.

Amanhã, comento o caso específico de Pernambuco.

Recife nas piores – O estudo mostrou ainda que a percepção da miséria cresceu em quase todas as capitais contempladas na pesquisa. O índice leva em consideração aspectos como a taxa de desemprego e a inflação. As capitais com o pior desempenho foram Salvador, Recife e Aracaju. Os melhores índices estão em capitais de estados mais industrializados, porém com indicativos que pioraram durante o ano. Apesar do desemprego mais baixo, Curitiba e Porto Alegre, as melhores do País, tiveram a percepção da miséria aumentada por conta da subida da inflação.

Na mídia nacional – Pré-candidata ao Governo de Pernambuco pelo Solidariedade, a deputada Marília Arraes, foi destaque na mídia nacional, ontem, por causa do seu jingle, no qual sugere ser “guerreira de Arraes e Lula”. A associação com a imagem de Lula não está só no jingle de campanha. O card chama atenção pela frase: “Pernambuco na veia: Lula, Marília, Sebastião, André”. Num panfleto, afirma: “Marília Arraes: o povo de Lula tá com Marília Arraes”.

Sem pouso, sem decolagem – O Aeroporto Internacional do Recife suspendeu, ontem, todas as operações de pouso e decolagem ao longo da tarde, após registrar uma falha no sistema de iluminação na pista. A Aena, empresa responsável pela administração do terminal, explicou que o circuito de luzes é alimentado por dois sistemas de baterias independentes e que ambos apresentaram problemas. Ao final da tarde, o sistema que registra as decolagens realizadas no aeroporto apontou que 14 voos que sairiam do terminal estavam atrasados.

Proteção de Ciro – A segurança de Ciro Gomes na campanha presidencial será feita por policiais federais e policiais militares do Governo do Ceará. A decisão foi do próprio candidato, já comunicada à Polícia Federal. A coordenação da segurança de Ciro hoje é feita por um coronel da PM do Ceará, Estado há anos governado pelos próprios irmãos Ciro e Cid Gomes ou por aliados, como o atual governador, Camilo Santana. Na classificação da Polícia Federal, Ciro está no segundo nível máximo de risco de ser alvo de algum tipo de ataque. Lula está no nível máximo. A segurança de Bolsonaro é feita pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

O efeito Datena – A pressão para que o ex-governador Márcio França (PSB) desista de concorrer ao Governo de São Paulo para apoiar o petista Fernando Haddad tem como maior obstáculo hoje um imprevisível candidato do campo bolsonarista: o apresentador de TV José Luiz Datena. O apresentador tem aparecido em primeiro lugar nas pesquisas, bem à frente dos demais postulantes à vaga de senador que estará em disputa na eleição deste ano. O desempenho é reflexo da alta popularidade de Datena, que apresenta diariamente um programa popular na televisão.

CURTAS 

MEDIDAS SOCIAIS – O senador Fernando Bezerra passou o fim de semana tentando encaixar no texto do seu relatório da PEC dos Combustíveis as medidas idealizadas por Bolsonaro e aliados. Além dos aumentos no Auxílio e no vale-gás, e da bolsa-caminhoneiro, o Governo quer incluir subsídio aos estados para dar gratuidade no transporte público aos idosos.

O SÁBIO SARNEY – Do ex-presidente José Sarney a um político amigo, ao ser perguntado em quem votará para presidente: “Sou velho, mas não sou doido.” Desde que vestiu o pijama, Sarney mora em Brasília e tem preenchido seu tempo na construção de textos literários e em encontros com políticos que o procuram para tomar o que Joaquim Francisco dizia “A maçaranduba do tempo”.

Perguntar não ofende: Por que Danilo Cabral está escondendo Paulo Câmara da sua campanha nas redes sociais?